Sobre 

CCSP- foto Adriano Machado-29.jpg

Maria Macêdo, nascida em Quitaiús-Ceará (1996). Vive e trabalha em Juazeiro do Norte-CE.

Artista/Educadora/Pesquisadora. Licenciada em Artes Visuais pela Universidade Regional do Cariri (2019), Co-líder do Grupo de Pesquisa Novos Ziriguiduns (Inter)Nacionais Gerados na Arte- NZINGA/CNPq, da comissão organizadora do Seminário Internacional Arte/Gênero/Ensino em Tempos de Conservadorismo/URCA, da comissão organizadora do congresso internacional Artefatos da Cultura Negra/URCA.

Desenvolve trabalhos artísticos a partir da ciência da mata, enquanto mulher negra, nordestina retirante, traçando caminhos a partir das lacunas historiográficas, as construções afetivas e memórias pessoais/coletivas.  Evocando a força ancestral da vida no campo, encontra nas vivências na terra o caminho que guia o seu fazer artístico enquanto artista agricultora retirante, fertilizadora de imagens. 

Entre 2020-2021 integrou a 7ª edição do Laboratório de Artes Visuais da escola Porto Iracema das Artes (Fortaleza–CE), sob a tutoria da artista Ana Lira, com o projeto "Língua Ferina: Artista retirante e a fertilização da imagem", posteriormente selecionado para o 31º Programa de  exposições do Centro Cultural São Paulo, 2021.

 

Integrou a equipe de curadoria educativa da 15ª Bienal Naifs do Brasil 2020– SESC Piracicaba/SP, e da exposição Corpo/Gênero/Sexualidade: para quê te quero?, do laboratório de estudo e criação Bixórdia, Cariri–CE.

Membra do Coletivo Artivista Karetas com Prekito, Coletivo Cantando Marias, e do coletivo de teatro Iamís Kariris e do espaço de difusão e produção artística/educativa Quebrada Cultural (Juazeiro do Norte– CE).

 

Participou de diversas exposições nacionais, e também internacionais, tendo sua primeira exposição individual intitulada "Incendiar com a boca o mundo" no Centro Cultural Banco do Nordeste Cariri em 2021.  Assinou algumas curadorias coletivas, como Insurgências (2019) no Centro de Artes/URCA, SERILUSORA (2019), Mulheres Pensantes, Presentes! e RASTROVESTIGIUM (2018), na galeria Maria Célia Bacurau/URCA, em Crato–CE.

Possui obras nos seguintes acervos: Museu de Arte Contemporânea do Ceará (Fortaleza– CE), Museu de Arte Contemporânea do Paraná (Curitiba– PR), Acervo público da cidade  de Juazeiro do Norte–CE, Museu d'água (Belém– PA).